Quando 'combato' [nos treinos] e as coisas estão bem normalmente é quando eu consigo três coisas: (1) sentir-me bem a mim, sentir o meu corpo e expressar-me (espontaneidade), por outro lado consigo (2) ver o outro, estar aberto ao outro, ao real, ao exterior, e por fim (3) há um sentido de 'amor', que eu não sei bem explicar o que é que é. Pronto, e quando essas três coisas estão a funcionar, aquilo [o combate] normalmente funciona bem.

Tu, o outro e a relação. Quando falamos em amor é num sentido muito amplo que é de relação, relação harmoniosa de ponte, de fluência, de troca... sem dúvida que isso é...

Ah... ok, é isso...Interessante... Pois porque falar ou definir o amor, ou esta coisa [relação], porque pode não se chamar de amor...

Mas é a palavra certa, podemos não a usar porque 'amor' tem sempre aquela conotação...

Da dependência, da paixão...

Sim... mas a palavra certa é essa. Porque é a perfeita comunicação, deixar fluir, a troca...

A troca em harmonia não é?, porque nós muitas vezes...

Em harmonia, e a harmonia tem muito a ver connosco, com a nossa relação connosco próprios, isso conta muito, e ao termos a relação connosco é muito fácil ter harmonia com os outros; e é só fazer a ligação, que é a comunicação, o canal de comunicação, e então tudo acontece...

E isso também tem a ver com integridade não é...

Muito...

Porque no fundo a integridade é essa possibilidade de integração...

...de tudo. A relação contigo, isso é que é integridade, e depois vais para o exterior tentando sempre manter essa boa relação contigo próprio dirigido para o exterior. Logo vais ter uma boa relação com o exterior. Porque é impossível viver só em relação com...

Mas se calhar podemos dizer que o conceito central é a integridade ou a harmonia.

Sim, sempre, e levar essa integridade a níveis muito profundos, expandindo essa integridade.

É que é um bocado complicado sabes, porque quando falamos de integridade, muitas vezes pensamos só no interior e isso só não chega... não é?

Não chega porque é assim, quem vive só para a integridade do interior não tem integridade, não pode ter integridade, nem mesmo a integridade do interior. Sem dúvida que tudo começa em nós e às vezes esse processo de começar em nós não é tão linear. Porque há pessoas que para começar em si têm de começar no exterior para depois voltar a si, porque isto não é assim tão linear. Mas a grande harmonia começa de dentro para fora...

Ou seja o que estás a dizer é que nós no fundo estamos em relação com o exterior também, não é? Tudo está em ligação com tudo...

Exactamente...

...nós para estarmos em harmonia connosco, isso exige automaticamente que estejamos [em harmonia com tudo]...

Completamente, mas completamente, não há hipótese [de ser de outra maneira]. E eu aprendi muito isso com o Kung Fu.